CÂNCER DE MAMA

CÂNCER DE MAMA

SAÚDE_prevenção, diagnóstico e radioterapia, por Marcela Moura Suassuna.

TOPO MATERIAS_CANCER DE MAMA

Apesar de ser amplamente discutido, com um mês inteiro dedicado a isso – o Outubro Rosa –, o câncer de mama ainda assusta, e o seu tratamento e prevenção soam como tabu. Tipo mais comum entre as mulheres no mundo todo, o câncer de mama responde por cerca de 25% dos casos novos a cada ano. Em 2015, para o Brasil, são esperados 57.120 casos novos da doença. E foi pensando em esclarecer nossos leitores acerca da doença que convidamos a médica radioterapeuta Marcela Moura Suassuna para, nesta edição, discorrer sobre a prevenção e o tratamento do câncer de mama, especialmente no que tange à sua especialidade: radioterapia.

Geralmente, o câncer de mama acomete mulheres após a menopausa, com quatro em cada cinco novos diagnósticos feitos após os 50 anos de idade. A doença se caracteriza pela proliferação anormal, de forma rápida e desordenada, das células do tecido mamário. A boa notícia é que os avanços científicos têm ampliado significativamente a expectativa e também a qualidade de vida das pacientes. Cerca de 90% das mulheres que diagnosticam e tratam a doença precocemente sobrevivem.

Prevenção – Um terço dos casos pode ser evitado com a adoção de um estilo de vida saudável. Praticar regularmente exercícios físicos, incluindo caminhadas, ter uma dieta balanceada e manter o peso adequado são apenas alguns exemplos que se podem adotar no dia a dia para evitar a doença.

Diagnóstico e Tratamento – O autoexame ajuda, mas não é a melhor forma de identificar precocemente o câncer de mama. A consulta periódica com um médico e a mamografia são as medidas mais eficazes para o diagnóstico.

A mulher deve ter a “consciência da mama”, reconhecendo a importância de cuidar de si mesma. Após os 40 anos, todas as mulheres devem fazer mamografias anualmente.
Quando existir histórico familiar, as medidas de prevenção do câncer de mama devem ser iniciadas em idade mais precoce, seguindo a orientação de um especialista.

A conduta terapêutica pode envolver cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou uma combinação dessas modalidades.

Radioterapia no câncer de mama – A radioterapia é um tratamento em que se utilizam radiações ionizantes para destruir um tumor ou impedir que suas células aumentem. Essas radiações não são vistas, e durante a aplicação o paciente não sente nada.

A radioterapia tem papel essencial na abordagem do câncer de mama, estando indicada após o tratamento conservador, ou seja, aquele tratamento onde há apenas ressecção cirúrgica do tumor, com preservação da mama. Em alguns casos, também está indicada após a mastectomia radical, ou seja, após retirada de toda a mama e dos linfonodos axilares.Com esse tratamento, é possível reduzir as recidivas locais e aumentar a sobrevida das pacientes.

Um aspecto importante é a utilização da Radioterapia de Alta Tecnologia para tratar essas pacientes. Com o advento de modernas técnicas de radioterapia, como a radioterapia tridimensional (3D) e a radioterapia de intensidade modulada, conhecida pela sigla IMRT (do inglês Intensity-Modulated Radiation Therapy), é possível proteger órgãos sadios, como, por exemplo, o coração, diminuindo as chances de toxicidade cardíaca, além de distribuir a dose de forma mais homogênea, reduzindo o risco de reações agudas da pele. É muito importante que a paciente consulte um médico radioterapeuta sobre as indicações e a melhor técnica a ser utilizada para tratá-la.

Parece que sim, embora os físicos afirmem que cientificamente isso não é possível. Com muita frequência, escutamos alguém dizer: “Puxa! Essa semana passou muito rápido!” Na verdade, se pararmos para pensar, damo-nos conta de que o ano mal começou, e já estamos no mês de novembro.

*Publicado originalmente na Acrópolis Magazine 91

DRA MARCELLA MOURA

 

 

 

 

 

 

 

Dra. Marcella Moura Suassuna
CRM 7372
Médica Radioterapeuta
Especialista em Radioterapia pela SBRT
Especialista em Alta Tecnologia
Professora da Disciplina de Oncologia da FCM
Campina Grande