DEPILAÇÃO

DEPILAÇÃO

DERMATOLOGIA_Saiba quais os métodos mais indicados e seguros na hora da depilação!

DERMATO_DEPIL_TOPO

Influenciados por estímulo hormonal, os pelos começam a “incomodar” durante a adolescência quando a pelagem pubiana (área sexual), torácica ou facial (barba) começam a ficar mais evidentes.

Cada área do corpo possui suas características, que precisam ser respeitadas na hora de escolher o melhor método de depilação, a fim de evitar irritações ou encravamento dos pelos. A escolha mais segura e acertada depende do local a ser depilado e da quantidade de pelos. Muitos métodos estão disponíveis hoje em dia: cera (quente ou fria), lâminas, cremes, aparelhos ou alguns tipos de laser ou eletrólise que destroem o folículo piloso.

O procedimento que envolve menos risco é a lâmina, e o mais desconfortável é a cera fria. Métodos de tração, como cera ou algumas máquinas, podem levar a processo infeccioso pela saída irregular do pelo que é arrancado. Ao optar pela cera quente, é muito importante ter cuidado com queimaduras, que podem resultar em manchas após o procedimento.

Se a escolha for por cremes depilatórios, é importante saber que não se devem usar em regiões sensíveis, pois há risco de alergia ao produto. Deve-se fazer um teste antes, de preferência no braço, e com um dia de antecedência. Se a pele ficar vermelha ou coçar, é sinal de que o creme pode gerar alguma irritação, e é melhor não utilizá-lo. O mecanismo de atuação de cremes, loções, roll-ons e espumas depilatórias é o mesmo: um composto químico que dissolve o pelo na superfície da pele, mas não o remove diretamente pela raiz.

Os aparelhos de depilação, por sua vez, possuem mecanismos diversos. Alguns arrancam o pelo na base do folículo capilar, embaixo da pele (raiz do bulbo capilar); outros apenas cortam os pelos na superfície da pele.

Agora, se a ideia é se livrar dos pelos em definitivo, existem dois métodos: a depilação a laser e a feita por eletrólise. A primeira utiliza feixes de luz pulsante que atravessam a pele e atingem os folículos capilares. Além de remover o pelo por destruição do folículo, o calor intenso do laser tem como alvo a melanina, o que impede que mais pelos cresçam. Por atuar sobre a melanina, é importante que a depilação a laser seja feita com um profissional médico experiente na aplicação e no uso, para evitar manchas claras (por morte indevida de melanócitos) ou manchas escuras (por estímulo equivocado da célula que confere cor ao nosso pelo).

Já a técnica por eletrólise corresponde a um método moderno que elimina os pelos pela raiz e retarda o crescimento dos fios. Diferentemente do procedimento a laser, que emite luz pulsante na pele, a eletrólise funciona a partir da aplicação de agulhas finíssimas que geram uma corrente elétrica de baixa intensidade para depilar de forma definitiva.

Todos os métodos descritos possuem suas vantagens e desvantagens. A escolha do melhor é pessoal, e pode-se tornar mais fácil quando conhecemos cada um deles. É bom deixar claro que o seu tipo de pelo, de pele, e seu limiar a dor são diferentes dos de outras pessoas. Não há um método universal para a remoção de pelos: se esse não agradou, tente outro até descobrir o que melhor se adapta em você. Vale combinar métodos diferentes para cada área do corpo, e, sempre que houver dúvida, procure seu médico. Se não gosta de pelos, melhor não tê-los!

*Publicado originalmente na Acrópolis Magazine 91.

JALALA

Januária Queiroz | CRM 7365
Av. Dom Pedro II, 833 – Centro
drajanuaria@gmail.com