CÂNCER DE PULMÃO, POR DAYSE QUEIROGA

PNEUMOLOGIA_Uma doença silenciosa, causada por hábitos destrutivos que podem levar mais de 40 mil brasileiros à morte

Este é o câncer de pulmão, o mais comum dos tumores malignos e que apresenta um aumento anual de 2% na sua incidência mundial. Evitar sua principal causa, o tabaco, ainda é a melhor solução, para prevenir o surgimento da temida e perigosa doença, que está matando, a cada dia, mais mulheres que homem em todo o mundo.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), cerca de 45 mil brasileiros morrerão de câncer de pulmão neste ano. Até agora, já são mais de 27 mil casos e 20 mil óbitos em decorrência desse tumor. Só até o final de 2011, esperam-se 489.270 novos casos. As mulheres estão mais suscetíveis à doença, e, das 45 mil mortes, 27 devem ser do sexo feminino.

A causa mais frequente e aparente desses números alarmantes é o cigarro. Ainda de acordo com os números do Inca, 90% das incidências de câncer do pulmão são provocados pelo tabaco. Dos 10% de vítimas restantes que não fumam, um terço o faz passivamente. Segundo a pneumologista Dayse Queiroga, mesmo existindo um componente hereditário muito forte para todos os tipos de câncer, o cigarro ainda está no topo como causa mais forte para o de pulmão. “Há uma correlação direta entre tabagismo e câncer de pulmão. A grande maioria dos pacientes que tem essa doença é ou foi fumante”, informa.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta o tabaco dentre as principais causas de mortes evitáveis. Todos os anos, cerca de 5 milhões de pessoas morrem, no mundo, em decorrência desse vício. No Brasil, onde 18,8% de sua população são fumantes, as vítimas somam 200 mil, segundo a Organização Panamericana de Saúde (Opas).

O câncer de pulmão é uma doença, na maioria das vezes, silenciosa. Quando achamos algum sintoma, já encontramos a doença em estágio avançado, daí a necessidade do diagnóstico precoce. “Em sua maioria, os sintomas encontrados são dor torácica, tosse, muitas vezes, improdutiva ou com expectoração sanguinolenta, falta de ar e perda de peso, que se acentua com o passar dos dias. O que orientamos sempre é o diagnóstico precoce da doença. Devemos estar vigilantes ao aparecimento desses sintomas, e, em especial, nos pacientes fumantes, que devem fazer exames radiográficos e de função pulmonar todos os anos”, alerta Dayse, que complementa lembrando a importância de se procurar ajuda médica o mais cedo possível, evitando-se que esses sintomas tornem-se insistentes. “Muitas vezes, o retardo do diagnóstico pode prejudicar o prognóstico da doença. Todos os sintomas que aparecem nas pessoas devem ser sempre valorizados, pois um sintoma é um sinal no corpo de que alguma coisa está errada e, portanto, tem que ser avaliado pelo médico”, lembra.

A maneira mais fácil de diagnosticar o câncer de pulmão é através de um exame de raio-X do tórax, complementado por uma tomografia computadorizada. O tratamento, segundo Dayse, vai depender do tipo histológico do tumor e do estadiamento da tumoração. “Precisamos saber em que estágio da doença o paciente se encontra, para encaminhá-lo ao tratamento correto. A cura para o câncer de pulmão pode estar no tratamento cirúrgico. Na impossibilidade de efetuarmos esse tratamento, pode-se realizar a radioterapia ou a quimioterapia, que têm as chances de cura diminuída”, completa.

A pneumologista lembra que a mais importante e eficaz prevenção do câncer de pulmão é a primária, ou seja, o combate ao tabagismo. A ação permite a redução do número de casos e de mortalidade. “A fumaça do cigarro tem cerca de cinco mil substâncias tóxicas, muitas delas comprovadamente cancerígenas. Levar uma vida saudável, com alguma atividade física diária e alimentação correta, procurando sempre uma alimentação natural, livre de conservantes e corantes, também é importante, para evitar o aparecimento da doença”, finaliza.

*Texto publicado, originalmente, na Acrópolis Magazine 76