INSUFICIÊNCIA CORONÁRIA

INSUFICIÊNCIA CORONÁRIA

 

SAÚDE_Dr. Valdeban Dantas fala sobre suas causas, sintomas e tratamento.

A insuficiência coronária é decorrente da obstrução das artérias coronárias, vasos que levam sangue para o coração, para que ele seja nutrido e mantenha o seu bom funcionamento.

A principal causa desse problema é a aterosclerose, que é o nome dado ao processo de endurecimento e obstrução da artéria coronariana. O acúmulo de gordura pode começar lento, ainda na infância, mas as consequências clínicas do problema se manifestam mais tarde, progredindo rapidamente na terceira década de existência. Em algumas pessoas, pode não se tornar ameaçador até a quinta ou sexta década de vida.

Quando a aterosclerose está presente, obstruindo uma coronária, no momento que o paciente faz um esforço, o sangue não chega na quantidade solicitada pelo coração, levando-o a um quadro de dor (angina do peito) ou mesmo a um infarto do miocárdio.

Uma pessoa que tem os fatores de risco, como taxa de colesterol e triglicérides altos, obesidade, diabetes e hipertensão arterial, associados – ou não – ao tabagismo (fumantes), tem maior possibilidade de desenvolver o processo de aterosclerose coronariana. Outro fator importante é a predisposição genética.

Entre as mulheres, a doença coronária tornou-se a principal causa de morte do mundo ocidental, maior que o câncer de útero, de mama ou mortes no parto. A mudança do padrão e modo de vida feminino talvez explique, em parte, esses dados. As mulheres conquistaram o mercado de trabalho, mas, em contrapartida, adquiriram os maus hábitos decorrentes da vida moderna: alimentação inadequada, fumo, álcool, falta de atividade física regular e repouso adequado. Como consequência, as mulheres adquiriram múltiplos fatores de risco para a doença cardiovascular: obesidade, hipertensão arterial, dislipidemia, tabagismo e estresse emocional.

A probabilidade de ter doença coronariana varia de pessoa para pessoa, mas quem já teve a doença diagnosticada alguma vez tem maior risco de sofrer novos eventos.

Quando a doença cardiovascular se torna clinicamente manifesta na mulher, em geral dez anos após a menopausa, ela coexiste com várias outras doenças, o que torna o seu prognóstico mais desfavorável. Por isso, é preciso ficar atento!

A dor torácica é um dos sintomas mais comuns da doença coronariana. Essa dor, conhecida como angina pectoris, pode ser em forma de aperto, pontada e queimação e pode se irradiar para as costas, braços, pescoço e queixo. Pode ser precipitada por esforço físico, estresse emocional ou exposição ao frio, podendo ser aliviada pelo repouso ou medicamentos, nos casos de angina estável. Neste caso, a dor não dura mais que trinta minutos. Nos casos agudos, ela pode surgir mesmo em repouso. Mas vale lembrar que nem toda dor torácica é de origem cardíaca.

Existem três tipos de tratamentos para a insuficiência coronária:
1.Clínico, com uso de medicamentos;
2.Angioplastia, procedimento médico minimamente invasivo para desobstrução de uma ou mais artérias coronárias, dependendo do tipo de lesão encontrada;
3.Cirúrgico, quando há uma, duas ou todas as artérias obstruídas.
Procure seu médico e faça exames periodicamente, de modo que possa prevenir essa situação que tantas pessoas são afetadas no mundo moderno.


Dr. Valdeban Dantas da Silva
Cirurgia cardiovascular

Graduado em Medicina pelas Universidade Federal da Paraíba (1992) e Universidade do Porto/ Portugal (2005).
*
Cirurgião dos departamentos de cirurgia do Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, Santa Rita/PB e Clínica Dom Rodrigo, João Pessoa/PB;
*
Cirurgião do Hospital Universitário Onofre Lopes – HUOL, Natal/RN.

Atende no consultório Ortotrauma Medical Bessa.
Rua Mirian Barreto Rabelo, 591, Bessa – João Pessoa/PB.
Telefone: (83) 3578-3000/ 991469168.